top of page

POR QUE AS SERPENTES CAUSAM TANTO MEDO?

Texto: Bryan da Cunha Martins


Se você é uma das pessoas que tem muito medo de serpentes, não se julgue! Esse medo é muito mais comum do que possamos imaginar. Mas você já se perguntou o porquê de todo este medo?


Ilustração: Emili Maria de Lima


Contexto histórico


O ser humano, ao longo da história, sempre interagiu com animais. Quer seja para sua alimentação, como animal de estimação ou, ainda, como auxílio para determinadas tarefas (como os cavalos que puxavam carroças e os burros que carregavam mercadorias). Todavia, essa interação nem sempre foi positiva. Com cachorros, gatos, cavalos e afins essa interação tendeu para o lado positivo, em contrapartida, com as serpentes não foi bem assim que aconteceu.


Por que tanto medo?


Uma das principais explicações do medo para com as serpentes é a questão cultural. As lendas, crenças, a arte e os costumes são fatores que influenciam no conhecimento da população.


Outro motivo é o senso comum. Que atire a primeira pedra quem nunca ouviu da avó que, se beber leite com manga, podemos morrer ou passar mal? Isso é uma herança cultural que foi passada para frente e se tornou senso comum, e o mesmo aconteceu com as serpentes em que muitos mitos como “cobra que mama” são passados para frente e tornam-se senso comum.


A religião também exerce forte influência. Como podemos observar no primeiro capítulo da Bíblia, uma serpente convence Eva a comer o fruto da árvore do bem e do mal e é amaldiçoada por induzir Eva ao erro. Dessa forma, muitos têm as serpentes como animais traiçoeiros e dignos de morte.


Entretanto, atualmente, alguns cientistas relacionam o medo às serpentes como algo evolutivo. __ “Mas como assim?” __Bom! No passado (alguns milhares de anos) as serpentes eram bem mais ameaçadoras para os seres humanos e demais animais. Desta forma, podemos ter evoluído de modo a reagir com repulsa às serpentes. Estudos mostram que primatas em cativeiro, mesmo sem nunca terem contato visual com alguma serpente, também reagem negativamente ao verem uma pela primeira vez. Será que é real? De todo modo, é irado, não?!



É preciso ter medo?


Não sei se medo seria a palavra correta, mas já ouviram aquele ditado “não é preciso ter medo, apenas respeito”? Então, é exatamente isso! Apesar de serem minoria (cerca de 20% do total de espécies de serpentes do Brasil) as peçonhentas existem e sim, são perigosas.


Mas se você não souber diferenciar as espécies peçonhentas das que não são, fique longe! E se a serpente estiver de passagem por onde você está, deixe-a passar! Garanto que ela não correrá atrás de você! Mas você deve estar se perguntando: “e se uma serpente entrar em minha casa?” Se você não conseguir tirar ou espantar ela, chame alguém para fazer isso por você, quer seja um amigo ou algum órgão responsável.


Não mate!


Como o título sugere, não mate as serpentes! Elas podem até picar, mas é única e exclusivamente para se defender. Então, por que matar?


Elas são importantes para o equilíbrio biológico natural dos ecossistemas. Pois são predadoras de animais que podem se tornar pragas, como os roedores, controlando as populações. E também são presas de outros animais. Além disso, as serpentes peçonhentas são utilizadas na indústria da medicina na produção de fármacos, como o captopril (utilizado no controle da hipertensão arterial) e na produção dos soros antiofídicos, que favorecem a sociedade. Viu?! Além de te terem um importante papel na natureza, elas também são importantes para nós!


Mas o principal é que elas são seres vivos como nós e como qualquer ser vivo, tem o direito de existir!



REFERÊNCIAS


ALVES, R.R.N.; PEREIRA FILHO, G.A.; VIEIRA, K.S.; SANTANA, G.G.; VIEIRA, W.L.S.; ALMEIDA, W.O. 2010c. Répteis e as populações humanas no Brasil: uma abordagem etnoherpetológica. In: R.R.N. ALVES; W.M.S. SOUTO; J.S. MOURÃO (orgs), Etnozoologia no Brasil: importância, status atual e perspectivas. Recife. Vol. 7. NUPEEA, p. 121–147.


BARROS, K. C. Métodos alternativos para a substituição dos modelos animais na experimentação. 2007. 53 f. Trabalho de conclusão de curso (Curso técnico de nível médio em Laboratório de Biodiagnóstico em Saúde) Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2007.


COSENDEY, B, N; SALOMÃO, S. R. Visões sobre as serpentes: répteis ou monstros? In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS, 9, 2013. Atas... Águas de Lindóia – SP, 2013, p. 1-8.


COSTA, H. C; BERNILS, R. S. Répteis do Brasil e suas Unidades Federativas: Lista de espécies. Herpetologia Brasileira. v. 8, n. 1 p. 11-57. 2018.


HAYASHI, M. A. F.; CAMARGO, C. M. he Bradykinin-potentiating peptides from venom gland and brain of Bothrops jararaca contain highly site specific inhibitors of the somatic angiotensin-converting enzyme. Toxicon, v. 45, n. 8, 2005, p. 1163-1170.


O GLOBO. Neurocientistas dão explicação evolutiva para o medo de serpentes. Disponível em: <https://oglob.globo.com/sociedade/saude/neurocientistas-dao-explicacao-evolutiva-para-medo-de-serpentes-10667912> Acesso em: 18 de set. 2019.


POUGH, F.H; HEISER, J. B; MCFARLAND, W. N. A vida dos vertebrados. São Paulo, Atheneu, 1993.


SANTOS-FITA, D.; COSTA-NETO, E. M. As Interações entre os Seres Humanos e os Animais: a Contribuição da Etnozoologia. Biotemas, v. 20, n. 4, p. 99-110, 2007.

VIZOTTO, L.D. Serpentes: lendas, mitos, superstições e crendices. Editora Plêiade, São Paulo, 2003.



86 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page