PARCEIROS

Apoio: Edital FAPES/VALE/FAPERJ Nº 01/2015 – PELOTIZAÇÃO, MEIO AMBIENTE E LOGÍSTICA.

©2019 by Herpeto Capixaba. Proudly created with Wix.com

Buscar
  • Herpeto Capixaba

SURUCUCU, A “CASCAVEL” MUDA!

Atualizado: 24 de Abr de 2019


Texto: Bryan da Cunha Martins



Título contraditório? Bom, foi o que eu pensava! A verdade é que ele faz muito sentido. Esta “confusão” foi criada por, nada menos que, Carolus Linneaus, ou simplesmente Lineu.


Surucucu-pico-de-jaca, Lachesis muta - Fotografia: Rodrigo de Souza.


Lineu foi um botânico, zoólogo e médico sueco, criador da nomenclatura binomial, ou seja, o nome científico das espécies; ex.: Bothrops jararaca, além de ser o criador da classificação científica dos seres: Reino, Filo, Classe, Ordem, Família, Gênero e Espécie. Tais feitos renderam-lhe o título de “Pai da taxonomia moderna”.


O cientista incansável

Se você está pensando que ele, com tantos afazeres, não tinha tempo para mais nada, você está muito enganado! Lineu descreveu uma quantidade tão grande de espécies que, atualmente, sempre que um “L.” surge na literatura científica, é associado ao seu nome (que moral!). Dentre todas as espécies descritas por Lineu, encontramos a surucucu. Mas isso, lá em 1766!


Onde está a surucucu?

As denominações “surucucu”, “pico-de-jaca” ou “bico-de-jaca” (os nomes populares por qual L. muta é conhecida) fazem alusão à textura das escamas, que lembram a casca da fruta jaca. Nada mais justo do que consagrar estes nomes populares, né?! Esta é a maior serpente peçonhenta das Américas, que pertence à Família Viperidae (mesma das jararacas e cascavéis) e é nativa das Américas Central e do Sul. No Brasil, está presente na Amazônia e na Mata Atlântica. No Espírito Santo, em florestas densas, é possível encontrar este animal. Porém, estas condições estão cada vez mais raras, devido às nossas “humanices”, interferindo sempre no ambiente natural.


O erro de Lineu

A palavra “cascavel”, escrita entre aspas, no início do texto, denota um erro taxonômico (ah, mas quem sou eu, um mero mortal, para por defeito em Lineu?!), devido às limitações da época. Existiam poucos recursos técnico-científicos e muitas vezes as espécies eram descritas considerando apenas aspectos morfofisiológicos e comportamentais. Dessa forma, a suscetibilidade ao erro era grande. Mas por que “cascavel”? Bom, Lineu percebeu que a surucucu e a cascavel compartilhavam algumas semelhanças morfológicas (afinal, são da mesma família!). Além disso, a surucucu possui o comportamento de mexer a cauda no chão, e dentro da floresta, com o chão cheio de folhas secas, emite um som semelhante ao do guizo da cascavel. Desta forma, na época, Lineu descreveu a surucucu como sendo uma “cascavel muda”; Crotalus mutus, sendo “Crotalus” referente ao gênero da cascavel e “mutus”, ao simples fato de que a serpente não possuía o típico “chocalho” na ponta da cauda (embora fizesse barulho ao deslocar-se pelas folhagens).


Revisões taxonômicas: novas confusões

De lá pra cá, a espécie mudou o nome científico diversas vezes, passando por mais oito gêneros: Coluber, Scytale, Lachesis mutus (este último, por Daudin já em 1803), Trigonocephalus, Cophias, Bothrops, Crasedocephalus e Lachoesis, sendo uma grande confusão taxonômica, até retornar ao gênero Lachesis (L. muta) por Beebe, em 1946. Desde então, Lachesis muta é o nome válido até os dias de hoje.


Panorama atual

Assim, estudos recentes, baseados em aspectos genéticos e biomoleculares, confirmaram que Crotalus mutus descrita por Lineu não se tratava de uma espécie de cascavel, isto é, ao gênero Crotalus. Como já mencionado, Beebe (1946) concluiu que a serpente pertence ao gênero Lachesis. Respeitando o trabalho de Lineu, a origem da palavra “muda” foi mantida, sofrendo apenas variação de “mutus” para “muta”. Finalmente, o gênero mudou pela última vez, passando a ser Lachesis, e o nome da espécie, Lachesis muta.



Referências

BIÓLOGO. Lineu. Disponível em: https://biologo.com.br/bio/lineu/ Acesso em: 17 de jan. de 2019.

FERNANDES, D.S.; FRANCO, F.L.; FERNANDES, R. 2004. Systematic Revision of the genus Lachesis Daudin, 1803 (Serpentes, Viperidae). Herpetologica: Jun de 2004, Vol. 60, No. 2, pp. 245-260.

FERNANDES, H. Lachesis muta, a surucucu . Disponível em: <https://blogdonurof.wordpress.com/2012/05/12/lachesis-muta-a-surucucu/> Acesso em 04 de set. de 2018.

HERPETOFAUNA. A Surucucu-Pico-de-Jaca . Disponível em: <http://www.herpetofauna.com.br/Lachesis.htm> Acesso em: 04 de set. de 2018.

NÚCLEO SERRA GRANDE. Ao meu herói, José Hamilton Ribeiro. Disponível em: <http://lachesisbrasil.blogspot.com/2013/02/seja-bem-vindo.html> Acesso em: 17 de jan. de 2019.

UETZ, P ; HOŠEK, J. (2019) The Reptile Database. Disponível em: <http://reptile-database.reptarium.cz/species?genus=Lachesis&species=muta> Acesso em 28 de mar. de 2019.

149 visualizações