top of page

LAGARTOS PEÇONHENTOS

Texto: Débora Cristina Medeiros


Primeiro vamos diferenciar o que é peçonha e o que é veneno. Ambas são substâncias tóxicas que causam injúria a outro organismo, entretanto, para a peçonha existe um mecanismo de inoculação da substância por meio de um ferimento causado pelo animal peçonhento.


Dentre os répteis as serpentes são mais conhecidas por apresentarem peçonha, porém, apesar de menos conhecidas, algumas espécies de lagartos são peçonhentas. Os lagartos helodermatídeos (Imagem 1) ocorrem do sul dos Estados Unidos ao norte da Guatemala e sua peçonha tem como sintomas mais comuns tontura, diaforese (suor excessivo), náusea, vômito e diarreia. Também foi descoberta a presença de glândulas de peçonha em lagartos varanídeos, incluindo os dragões-de-komodo (Varanus komodoensis).


Imagem 1. Heloderma suspectum cinctum Bogert & Mart ın Del Campo 1956. Autoria: K. Amri. Extraído de Chippaux e Amri (2020).


A forma como dragões-de-komodo (Varanus komodoensis) matam suas presas era creditada à flora bacteriana presente em sua saliva. Entretanto, as espécies de bactérias presentes na saliva de V. komodoensis variam entre os indivíduos e refletem sua dieta e ambiente. Por outro lado, algumas toxinas encontradas na composição da peçonha de varanídeos também são encontradas em helodermatídeos. A intoxicação pela mordida de V. griseus caspius causa dor muscular intensa em todo o corpo, assim como náusea, diarreia e vômitos. Sintomas semelhantes aos causados pela peçonha de lagartos helodermatídeos.

Os lagartos helodermatídeos e varanídeos pertencem a um grupo chamado Anguimorpha, que junto com Serpentes e Iguania formam o clado Toxicofera. Este grupo tem como característica a presença de glândulas de toxina na região oral. Apesar de muitas espécies do grupo Iguania terem perdido seu sistema de glândulas produtoras de toxina, essas ainda estão presentes, de forma incipiente, no gênero Pogona (Imagem 2).



Imagem 2. Seção transversal da cabeça de Pogona barbata (aumento 40X), evidenciando as glândulas de peçonha incipientes próximas a dentição. Duto (d), mandíbula (mn), maxilar (mx), incipiente glândula de peçonha mandibular (mnivg), incipiente glândula de peçonha maxilar (mxivg), cavidade ocular (es), glândula palatina (pg), dente superior (ut), dente inferior (lt), glândula supralabial (slg), glândula infralabial (ilg). Extraído de Fry et al. (2006).



A peçonha pode apresentar diferentes funções, tais como captura de presas, digestão e defesa, sendo possível que uma espécie a utilize para mais de uma função. Os lagartos helodermatídeos, por exemplo, a utilizam para defesa. Sua função nos lagartos varanídeos ainda é desconhecida, mas especula-se que seja utilizada para captura de presas e/ou facilitar a digestão.

Os seres humanos podem utilizar a peçonha para usos farmacológicos. O medicamento anti-hipertensivo captopril foi desenvolvido a partir de substâncias encontradas na peçonha de jararaca (Bothrops jararaca). Uma substância denominada exendin-4A é encontrada na peçonha do lagarto helodermatídeo Heloderma suspectum e tem potencial para ser utilizada tanto no tratamento de diabetes tipo II como no diagnóstico precoce de diabetes tipos I e II.



Referências


ARBUCKLE, KEVIN. Ecological function of venom in Varanus, with a compilation of dietary records from the literature. Biawak, v. 3, n. 2, p. 46-56, 2009.


CHIPPAUX, Jean-Philippe; AMRI, Karim. Severe Heloderma spp. envenomation: a review of the literature. Clinical Toxicology, v. 59, n. 3, p. 179-184, 2021.


CUSHMAN, David W.; ONDETTI, Miguel A. History of the design of captopril and related inhibitors of angiotensin converting enzyme. Hypertension, v. 17, n. 4, p. 589-592, 1991.


FRY, Bryan G. et al. Early evolution of the venom system in lizards and snakes. Nature, v. 439, n. 7076, p. 584-588, 2006.


FRY, Bryan G. et al. A central role for venom in predation by Varanus komodoensis (Komodo Dragon) and the extinct giant Varanus (Megalania) priscus. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 106, n. 22, p. 8969-8974, 2009.


GOLDSTEIN, Ellie JC et al. Anaerobic and aerobic bacteriology of the saliva and gingiva from 16 captive Komodo dragons (Varanus komodoensis): new implications for the" bacteria as venom" model. Journal of Zoo and Wildlife Medicine, p. 262-272, 2013.


NELSEN, David R. et al. Poisons, toxungens, and venoms: redefining and classifying toxic biological secretions and the organisms that employ them. Biological Reviews, v. 89, n. 2, p. 450-465, 2014.


ROBINSON, Samuel D.; SAFAVI-HEMAMI, Helena. Venom peptides as pharmacological tools and therapeutics for diabetes. Neuropharmacology, v. 127, p. 79-86, 2017.


SIMÕES, Tiago R.; PYRON, R. Alexander. The squamate tree of life. Bulletin of the Museum of Comparative Zoology, v. 163, n. 2, p. 47-95, 2021.


VIDAL, Nicolas; HEDGES, S. Blair. The phylogeny of squamate reptiles (lizards, snakes, and amphisbaenians) inferred from nine nuclear protein-coding genes. Comptes rendus biologies, v. 328, n. 10-11, p. 1000-1008, 2005.


ZIMA, YULIA ALEXANDROVNA. On the Toxicity of the Bite of the Caspian Gray Monitor Lizard (Varanus griseus caspius). Biawak, v. 13, n. 2, p. 115-118, 2019.


223 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page