HERPETOLOGIA AO REDOR DO MUNDO


Texto: Bryan da Cunha Martins


Você já parou para pensar sobre o que rola mundo afora quando o assunto é herpetologia? Talvez sim, talvez não. Mas mesmo que tenha pensado, já parou para pesquisar as Herpetology World News? Aqui neste texto vamos atualizar você com um panorama geral sobre os principais acontecimentos recentes da herpetologia mundial. Vamos nessa?


Figura 1: Espécies listadas no texto e sua respectiva autoria.


Ratos cirurgiões - Austrália, 2019

Era só o que nos faltava! Óbvio que não estamos nos referindo a ratos formados em medicina, mas sim a ratos (Hydromys chrysogaster) que predam anfíbios venenosos (Fig. 1-A) na Austrália (tinha que ser)! Mas qual o motivo do termo “cirurgiões”? Bom, este termo foi utilizado, pois estes ratos tomam extremo cuidado com as glândulas de veneno dos anfíbios (glândulas paratóides), que ficam na parte dorsal do sapo, atacando pelo ventre.


Vários anfíbios foram encontrados mortos com as mesmas características, despertando a curiosidade de cientistas que começaram a investigar o fenômeno. Usando recursos de filmagem, os pesquisadores puderam observar quem estava fazendo aquilo com os anfíbios.


Estudos forenses concluíram que os ratos se alimentavam apenas do coração e fígado, órgãos livres de toxinas. Algumas espécies de serpentes e aves podem predar esta espécie de anfíbio, mas pesquisadores dizem que este roedor é a única espécie de mamífero capaz de predá-los com segurança.


O curioso é que estes anfíbios são espécies invasoras na Austrália e dizimam populações nativas. Desta forma, os ratos acabam ajudando a fauna nativa. Como não é a natureza, hein?!


Como a extinção de uma perereca pode aumentar os casos de Febre Amarela? - Brasil, 2019

Você pode estar se perguntando o que uma coisa tem a ver com a outra, mas estes assuntos estão intimamente ligados. Scinax caldarum (Fig. 1-B), uma espécie de perereca endêmica de Poços de Caldas - MG, tem apresentado rápida diminuição de sua área de ocorrência (15% do que ocupava na década de 80). Os pesquisadores concluíram que o principal fator para esta diminuição é devido ao uso de produtos químicos utilizados no agronegócio.


Mas o que acontece se a espécie se extingue da natureza? Bom, uma espécie sempre está envolvida em complexas cadeias tróficas e exercem papéis importantes no equilíbrio do ecossistema. Os girinos de Scinax caldarum, por exemplo, são predadores das larvas do mosquito que transmite Febre Amarela, consequentemente controlando as populações do mosquito. Desta forma, se esta espécie de anfíbio entra em extinção, a tendência é que os casos de Febre Amarela aumentem, uma vez que serão menos predadores naturais para o mosquito. Interessante, porém preocupante.


Como a seca influencia na reprodução de serpentes? - Estados Unidos, 2019

Pesquisadores da Universidade de Illinois buscaram analisar a influência de uma seca de cinco anos em uma população da serpente Copperheads (Agkistrodon contortrix) (FIg. 1-C) em uma área já monitorada em Meriden, Connecticut. Eles perceberam que, nos anos que antecederam a seca, as serpentes se reproduziram normalmente, mas que durante o período as reproduções foram decrescendo e no ano seguinte, nenhuma serpente da população monitorada reproduziu. Desta forma, os pesquisadores começaram a buscar respostas para o fenômeno. Você tem alguma hipótese? Será que vai acertar?