PARCEIROS

Apoio: Edital FAPES/VALE/FAPERJ Nº 01/2015 – PELOTIZAÇÃO, MEIO AMBIENTE E LOGÍSTICA.

©2019 by Herpeto Capixaba. Proudly created with Wix.com

Buscar
  • Herpeto Capixaba

BIOACÚSTICA: CIÊNCIA POR FREQUÊNCIAS SONORAS

A bioacústica é uma ciência multidisciplinar que utiliza os sons emitidos pelos animais para o estudo de seus aspectos biológicos, podendo ser aplicada em áreas como identificação e classificação de espécies, comportamento social e ecologia. Dentre os grupos estudados os que mais se destacam são as aves, morcegos, mamíferos aquáticos e também os anfíbios.


Texto: Tainara de Alencar


Sphaenorhynchus planicola, vocalizando sobre vegetação aquática, Parque Estadual Paulo César Vinha. Fotografia: Thiago Silva-Soares.


Pesquisa desenvolvida com bioacústica pelo Herpeto Capixaba

Uma das principais pesquisas com bioacústica realizada pelo Herpeto Capixaba é no Parque Estadual Paulo César Vinha, na cidade de Guarapari, Espírito Santo. Pois além de ser uma área de Mata Atlântica - com uma vegetação de restinga- bem preservada é também bastante amostrada, apesar disso esse é o primeiro trabalho realizado com bioacústica no parque. Serão analisadas possíveis variações de vocalização das espécies e até vocalizações ainda não registradas.


O estudo é realizado através de trabalhos de campo de duas noites uma vez por mês, cada campo tem a duração aproximada de cinco horas. Também são feitas amostragens diurnas, com intuito de gravar os anfíbios de hábito diurno.


As gravações são realizadas com uso de um gravador Marantz Pmd 661 e um microfone sennheiser me 66, ao longo das trilhas do parque de maneira esporádica, ou seja, só quando se ouve alguma espécie vocalizar.


Dificuldades da bioacústica

A pesquisa com bioacústica exige muita paciência e persistência, pois não é sempre que é possível gravar o anfíbio desejado, visto que, este pode se sentir ameaçado pela nossa presença, incomodado pela luz, ou não esteja no período ideal (reprodutivo) para vocalizar.


Na pesquisa em questão, fazem mais de sete meses que tentamos gravar a vocalização da lindíssima perereca-de-capacete, a Aparasphenodon brunoi. Embora já tenhamos encontrado ela diversas vezes em campo e investido horas ao seu lado esperando que vocalizasse, ainda não conseguimos registrar seu canto.


Aparasphenodon brunoi, em bromélia. Fotografia: Thiago Silva-Soares.


Objetivos principais por trás dessa pesquisa

Essa pesquisa tem o intuito de demonstrar que o uso da bioacústica é importante para a taxonomia das espécies de anfíbios, além de evidenciar como a ciência pode ser mais acessível já que todas as vocalizações das especies presentes no parque estará disponível online em um banco de vozes de anfíbios,com isso promoverá uma percepção facilitada de que os diferentes anfíbios emitem diferentes sons, específicos para cada espécie e que isso auxilia na identificação dos mesmos.




Referências

JÖRN KÖHLER, MARTIN JANSEN, ARIEL RODRÍGUEZ, PHILIPPE J. R. KOK, LUÍS FELIPE TOLEDO, MIKE EMMRICH, FRANK GLAW, CÉLIO F. B. HADDAD, MARK-OLIVER RÖDEL & MIGUEL VENCES

(2017). “The use of bioacoustics in anuran taxonomy: theory, terminology, methods and recommendations for best practice” (Zootaxa 4251) 124 pp.; 30 cm.11 Apr. 2017 ISBN 978-1-77670-116-2 (paperback) ISBN 978-1-77670-117-9 (Online edition).

32 visualizações