top of page

A FANTÁSTICA IGUANA-MARINHA

Atualizado: 3 de jun. de 2022

Texto: Bárbara Santos Teixeira Costa


Um dos seres mais fantásticos que podemos encontrar na ilha de Galápagos são as iguanas-marinhas, único lagarto adaptado para viver no ambiente marinho! Além disso, elas foram eternizadas por Darwin por serem consideradas “os mais nojentos e desajeitados lagartos”. Mas não se engane igual Darwin, e venha apreciar as características singulares e incríveis desses lagartos!

Figura 1: Amblyrhynchus cristatus termorregulando no sol de Galápagos, Equador. Autoria da foto: Daniela Pareja. Instagram: @danixpmfotos

As iguanas-marinhas pertencem a espécie Amblyrhynchus cristatus (Bell, 1825), e são consideradas marinhas por viverem sobre as rochas que são banhadas pelo mar, além de se alimentarem exclusivamente de algas, ou seja, são animais estritamente herbívoros. De acordo com Trillmich e Trillmich (1985), as iguanas-marinhas apresentam duas estratégias alimentares distintas, ou uma mistura entre ambas: elas podem se alimentar mergulhando no oceano a procura de algas, na zona subtidal, ou podem forragear a procura de algas na maré baixa, na zona intertidal, quando as algas ficam expostas. Ambas as estratégias alimentares estão relacionadas ao peso de A. cristatus, pois quanto maior seu peso, mais o animal demora a esfriar em seu mergulho no oceano. Logo, os animais de maior peso são os mais adeptos ao mergulho na zona subtidal em busca de alimento, obtendo maior sucesso em relação às iguanas de menor peso.

Figura 2: Esquema demonstrando as zonas intertidal e subdital. Via: American Geological Institute and American Association of Petroleum Geologists.


A temperatura também é um fator muito importante a ser considerado na vida dessas iguanas-marinhas, que necessitam de uma temperatura corporal em torno dos 35º C para sobreviver. As águas das ilhas Galápagos são banhadas pelas correntes oceânicas de Humboldt, que é considerada a corrente mais fria do mundo. Por conta disso, os lagartos gastam apenas 5% de seu dia na água ou próximo a ela (Trillmich e Trillmich, 1985), e todas as suas atividades sociais são realizadas fora da água.


Outras adaptações ocorreram em A. cristatus para permitir sua sobrevivência, como adaptações na circulação sanguínea (Bartholomew e Lasiewski, 1965) fazendo com que os lagartos conservem sua temperatura corporal após os mergulhos. Além disso, eles apresentam focinhos curtos e dentes pequenos e afiados para que consigam raspar as algas das rochas, possuem uma cauda achatada dorso lateralmente adaptada a natação e também apresentam garras longas e afiadas para que se agarrem às rochas e não sejam levados pela corrente.


Sua coloração é cinza-escuro, para que a luz do sol seja melhor absorvida e normalize a sua temperatura corporal após os mergulhos. Por fim, uma das principais adaptações das iguanas-marinhas é a presença das glândulas de sal, que “limpam” o tecido sanguíneo de sal extra, pois quando esses lagartos ingerem algas, acabam também ingerindo sal, que é expelido por essas glândulas.


Infelizmente, as iguanas-marinhas são consideradas vulneráveis pela classificação da IUCN, por conta de predadores como ratos, gatos e cachorros, que se alimentam de seus ovos e seus filhotes. Além disso, um estudo comprova (French et al, 2010) que o ecoturismo também afeta esses animais, causando altos níveis de estresse elevando os níveis plasmáticos de corticosterona.


Esses animais são realmente fantásticos, não é mesmo?! Continue nos acompanhando em nossas notícias para descobrir mais animais incríveis como esse!


Referências


BARTHOLOMEW, G. A.; LASIEWSKI, R. C. Heating and cooling rates, heart rate and simulated diving in the Galapagos marine iguana. Comparative Biochemistry and Physiology, v. 16, n. 4, p. 573-582. 1965.


FRENCH, S. S. et al. Human disturbance alters endocrine and immune responses in the Galapagos marine iguana (Amblyrhynchus cristatus). Hormones and behavior, v. 58, n. 5, p. 792-799. 2010.


NATIONAL GEOGRAPHIC. Marine Iguana. Disponível em: <https://www.nationalgeographic.com/animals/reptiles/m/marine-iguana/>. Acesso em 09 de abril de 2022.


TRILLMICH, K. G. K.; TRILLMICH, F. Foraging strategies of the marine iguana, Amblyrhynchus cristatus. Behavioral Ecology and Sociobiology, v. 18, n. 4, p. 259-266. 1986.

542 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page